Vaso sanitário convencional – louça branca, incluindo assento.

Vaso sanitário convencional – louça branca, incluindo assento.

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

Conjunto Bacia convencional, com consumo de 6 litros de água por fluxo, cor Branco, padrão médio, modelo Monte Carlo, marca DECA ou equivalente técnico e assento compatível, cor 01 Branco, da DECA ou equivalente técnico. Bacia preparada para a utilização com sistema de descarga com tecnologia dupla, com dois botões: descarga completa: 6 litros (limpeza total) e descarga com volume reduzido: 3 litros (troca de líquidos).

Consumo de água (litros por fluxo): 6.0 lpf

Tipo de sifão: sifão oculto

Saída de esgoto               : vertical

Composição básica: argila, feldspato, caulim, vidrados e corantes inorgânicos.

Orgão normatizador: ABNT

Número norma(s)/decreto(s): NBR 15097-1 e NBR 15097-2

Observação: Os metais e respectivos acabamentos e acessórios serão instalados em restrita observância às recomendações do fabricante. O perfeito estado de cada item será cuidadosamente verificado antes de sua colocação, não devendo ser aceitos quaisquer defeitos decorrentes de fabricação, transportes, manuseio e instalação inadequada.

b) Execução / Controle:

Materiais complementares necessários:

– Parafusos de fixação, conforme marca e modelo. Pode ser adquirido também kit próprio da marca com as peças de fixação;

– anel de vedação;

– tubo de ligação;

Procedimentos:

– Cortar o tubo de esgoto deixando-o com aproximadamente 10mm acima do piso. Procedimentos de impermeabilização do local já devem estar executados junto ao tubo;

– Posicionar a bacia no local de instalação, medir e cortar o tubo de ligação para entrada d’água na medida necessária;

– Com a bacia ainda no local de instalação, trace no piso uma linha em todo o contorno da base da louça, marque também no piso a posição dos furos de fixação da bacia. Retire a bacia e ligue as duas marcações referentes a fixação com uma reta. Medir 35mm a partir da linha de contorno da bacia, sobre a linha de fixação e marcar. Furar o local demarcado com uma broca de 10mm e inserir a bucha S10C.

– Quando for o caso, posicionar os suportes “L” e fixá-los no chão com as arruelas e os parafusos. Ajustar os suportes de modo que fiquem justos com a parte interna da base da bacia.

– Para esta operação o local deve estar isento de umidade e poeira. Moldar o anel de vedação (ou anel de cera) no tubo de esgoto no piso e aplicar um cordão fino de silicone antimofo a uma distância de 5mm da linha de contorno da base da bacia.

– Encaixe a bacia no tubo de ligação e aproxime-a da parede de modo que os furos nas laterais da louça coincidam com os suportes “L”. Pressione-a contra o piso (efetuar esta operação com a ajuda de outra pessoa). Com a bacia na posição, fixá-lo com a bucha plástica e o parafuso de fixação lateral e colocar os acabamentos. Para melhor fixação da louça no piso, encaixar a bucha no parafuso e rosqueá-los apontados para baixo.

– Remova o excesso de silicone da base externa da bacia.

– Antes de considerar terminada a instalação, testar sua estanqueidade.

 Os aparelhos e respectivos pertences e acessórios serão instalados em restrita observância às recomendações do fabricante. O perfeito estado de cada aparelho será cuidadosamente verificado antes de sua colocação, não devendo ser aceitos quaisquer defeitos decorrentes de fabricação, transportes, manuseio e instalação inadequada.

Para a instalação das louças de sanitários e cozinhas, os serviços de revestimento interno (tetos, paredes e pisos) e instalações hidráulicas devem estar concluídos. As proteções de água e de esgoto (plugues) têm de ser removidas.

A instalação deve ser executada por profissionais especializados, devendo ser observadas as instruções do fabricante.

Todas as peças pertences e complementares devem ser instaladas de acordo com as indicações do projeto arquitetônico, compatibilizadas com as informações especificas do projeto das instalações hidráulicas.

Quanto às peças de louça que estiverem parcial ou totalmente embutidas, recomenda-se que, sempre que possível, tenham a sua borda superior coincidindo com as juntas horizontais dos revestimentos. As posições relativas das diferentes peças têm de estar de acordo com as recomendações definidas no projeto arquitetônico.

A instalação das peças de sobrepor tem de estar de acordo com as recomendações definidas no projeto arquitetônico

O vaso sanitário deve ser fixado ao piso com parafuso, através de bucha de “nylon”. O tubo de ligação para entrada de água deve ser cromado, com canopla e montado com anéis de borracha para vedação. A tampa plástica deve ser fixada com parafusos e arruelas de plástico.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de modo a verificar a locação, as dimensões, a vedação e o acabamento dos equipamentos e acessórios, em conformidade com o projeto. Será verificado igualmente, o funcionamento dos mesmos, a conformidade dos materiais e acabamentos com as especificações, bem como a colocação, a fixação, e o ajuste.

d) Medição e Pagamento:

O preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais, ferramentas, equipamentos e mão-de-obra necessários à sua instalação, conforme especificações e recomendações do fabricante, incluindo materiais acessórios, serviços auxiliares de pedreiro, acabamento, limpeza e outros serviços complementares.

A medição será efetuada com base nas unidades efetivamente instaladas, conforme definido em projeto específico.

Piso em concreto Fck mínimo de 10Mpa, armado, espessura 10,0cm, preparo mecânico, desempenado, aditivo impermeabilizante.

Piso em concreto Fck mínimo de 10Mpa, armado, espessura 10,0cm, preparo mecânico, desempenado, aditivo impermeabilizante.

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

Piso em concreto armado, Fck mínimo 10Mpa, armadura do piso deverá ser de Ø 4,2 mm a cada 25 cm, nas duas direções, espessura 10cm, preparo mecânico, desempenado, com aditivo impermeabilizante.

O pavimento deverá ter sua área regularizada e compactada, receber lastro em pedra brita de espessura mínima de 5cm, apiloado manualmente, para posterior execução de piso em concreto fck mínimo de 10MPa, desempenado e impermeabilizado com espessura mínima de 10cm.

Deverão ser previstas juntas de construção e dilatação no máximo cada 3,00m.

Todos os materiais serão de qualidade rigorosamente em acordo com o estabelecido para os mesmos nas normas NBR 5732 e NBR 7211. Deverá ser utilizado cimento Portland comum, água doce limpa e isenta de cloro e impurezas, e areia média lavada, peneirada e seca, isenta de impurezas.

Os materiais deverão ser armazenados em local coberto, seco e ventilado, de modo a evitar quaisquer danos e condições prejudiciais.

b) Execução / Controle

Os pisos de concreto só poderão ser executados depois de perfeitamente niveladas as bases do terreno, e após a conclusão da execução das canalizações que passam ou que interferem junto ao espaço.

Antes do lançamento do concreto serão executadas “mestras” niveladoras, em concreto semelhante ao que será utilizado no lastro.

O concreto deverá ser executado mecanicamente, com betoneira convencional ou caminhão betoneira.

O lançamento do concreto será feito em faixas longitudinais, sendo o seu espalhamento executado pela passagem de réguas de madeira ou metálicas deslizando sobre as “mestras” niveladoras, retirando-se todas as cavidades formadas por bolhas de ar ou por incrustação de materiais estranhos. A superfície concretada deve ser protegida com material saturado de água, mantido molhado durante o período de cura.

Deverá ser utilizado piso em concreto polido nos locais definidos em plantas. Os trabalhos deverão ser realizados por técnicos no assunto, sendo que a execução deste tipo de piso obedecerá às etapas abaixo descritas.

Deverá ser executado um contrapiso em concreto Fck maior ou igual a 10 MPa, com brita zero e 1 com adição de impermeabilizante.

Para a perfeita cura as superfícies deverão ser molhadas durante 7 dias após a execução. O concreto, logo após lançado , antes da pega deverá ser vibrado com régua vibratória, ou desempenadeira de aço manual móvel e articulada, própria para piso polido para melhor adensamento e desaparecimento das britas do concreto, para permitir um melhor acabamento do piso, tipo liso sem aparecer os agregados, logo após este serviço e antes da pega deverá ser executado o alisamento do piso com máquina apropriada, de tal forma a acertar os níveis e acabamentos ficando o piso liso sem aparecer às britas e outros agregados do concreto.

Caso necessário deverá ser acrescentada argamassa 1:2 com cimento e areia fina para melhorar o acabamento final do piso de tal forma que fique completamente liso, mesma textura e uniforme.

Deverá ter juntas de dilatação, do tipo plástico, cor cinza, formando quadros, observando-se a modulação de eixo a eixo.

Deverá ser executado o sarrafeamento e desempenamento da superfície do concreto, acompanhando os níveis pré-estabelecidos de forma a não ocorrer empossamentos futuros.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de modo a verificar o perfeito alinhamento, nivelamento e uniformidade das superfícies, de conformidade com as indicações do projeto.

d) Medição e Pagamento:

Esse preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais, ferramentas, equipamentos e mão-de-obra necessários à execução do contrapiso, incluindo acabamento e limpeza.

A medição será efetuada por m² (metro quadrado) de piso efetivamente executado, apurando-se a área conforme as dimensões indicadas no projeto.

 

Piso Cerâmico Extrudado 30x30cm, padrão a definir, espessura 12mm, fixada com argamassa colante AC-II e rejuntamento anticorrosivo a base de resina epóxi.

Piso Cerâmico Extrudado 30x30cm, padrão a definir, espessura 12mm, fixada com argamassa colante AC-II e rejuntamento anticorrosivo a base de resina epóxi.

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

Revestimento Cerâmico Porcelânico Extrudado para aplicação em pisos, com dimensões e especificações conforme indicado em projeto e relacionado a seguir:

Cerâmica dimensões 30×30 cm, ou superior, espessura mínima 12mm, cor Branco, da marca GAIL ou equivalente técnico; cerâmica de baixa absorção e alto desempenho (absorção de água menor ou igual a 1%, resistência à flexão menor ou igual a 35Mpa, carga de ruptura menor ou igual a 3500 N e resistência à abrasão profunda menor ou igual a 175mm³; alta resistência química; resistente a manchas, congelamento e ao escorregamento.

Deverá incluir rodapé com o mesmo padrão e material do piso utilizado, com altura de 10cm.

O rejuntamento deverá ser executado com argamassa sintética anticorrosiva, à base de resina Epóxi de alta resistência química e mecânica, especial para o emprego de rejuntamentos de pisos cerâmicos da linha industrial.

As juntas deverão ser executadas com no máximo 10mm de espessura.

O assentamento das cerâmicas será executado com argamassa colante pré-fabricada para cerâmica, área interna, TIPO AC-II da QUARTZOLIT ou equivalente técnico e rejuntamento QUARTZOLIT para cerâmica, tipo flexível, área interna ou equivalente técnico, na tonalidade do piso.

Os materiais serão de procedência conhecida e idônea. As peças deverão ser cuidadosamente classificadas no canteiro de serviço quanto à sua qualidade, calibragem e desempeno, rejeitando-se todas as que apresentarem defeitos de superfície, discrepâncias de bitolas ou empeno. As peças serão armazenadas em local seco e protegidas, em suas embalagens originais de fábrica.

b) Execução / Controle

As paredes onde serão aplicados os revestimentos cerâmicos deverão estar limpas, isentas de óleo, graxas, gorduras ou qualquer tipo de incrustações. Essas paredes deverão estar perfeitamente aprumadas e niveladas, sem ondulações ou depressões visíveis.

As juntas estruturais de construção ou dilatação, existentes ou definidas no Projeto de Estrutura de Concreto, deverão ser rigorosamente obedecidas na execução dos revestimentos.

O assentamento das cerâmicas se dará depois de testadas e verificadas as tubulações das instalações hidráulicas e elétricas quanto às suas posições e funcionamento.  Deverão ser colocadas as mestras na ocasião da execução das instalações para orientar a execução do revestimento.

As cerâmicas deverão estar limpas e isentas de materiais estranhos.

Quando cortados para passagem de canos, torneiras e outros elementos das instalações, os materiais cerâmicos não deverão conter rachaduras, de modo a se apresentarem lisos e sem irregularidades. Cortes de material cerâmico para constituir aberturas de passagem dos terminais hidráulicos ou elétricos terão dimensões que não ultrapassem os limites de recobrimento proporcionado pelos acessórios de colocação dos respectivos aparelhos. Quanto ao seccionamento das cerâmicas, será indispensável o esmerilhamento das bordas dos cortes, de modo a se obter peças corretamente recortadas, com arestas vivas e perfeitas, sem irregularidades perceptíveis.

Na aplicação das cerâmicas será utilizada argamassa adesiva especial pré-fabricada do tipo “cimento colante”, misturada em água na proporção em volume indicada pelo fabricante. Os materiais deverão ser bem amassados e a argamassa resultante deverá ser preparada em pequenas quantidades, o suficiente para ser utilizada por um período máximo de 3 horas. O amassamento será feito sob área coberta, em tabuleiros de superfícies planas, impermeáveis e resistentes. No amassamento deverão ser tomados os devidos cuidados de modo a evitar perda de água ou segregação de materiais.

A argamassa deverá ser aplicada diretamente sobre o emboço com o lado liso de uma desempenadeira de aço de espessura 3 a 4 mm, em seguida com o lado denteado da desempenadeira, provocar o aparecimento de sulcos e cordões paralelos para melhor fixação das peças. Com esses cordões ainda frescos, efetua-se o assentamento, batendo-se uma a uma as cerâmicas. A espessura da camada entre emboço e cerâmica será de aproximadamente 2 mm

As juntas deverão ser corridas, perfeitamente alinhadas em prumo e nível, e de espessuras uniformes de aproximadamente 6 mm (assentamento com junta a prumo). Se por demora de aplicação ou condições climáticas desfavoráveis, ocorrer uma leve película sobre a superfície de argamassa aplicada, provocando o início de secagem em prejuízo da aderência, deve-se umedecer a superfície levemente com brocha. Em dias de muito calor ou vento forte é recomendável umedecer a base (emboço) antes da aplicação da argamassa colante.

Decorridas 48 horas do assentamento, deverá ser verificada a perfeição dos serviços, percutindo-se uma a uma as cerâmicas, e procedendo-se à imediata substituição daquelas que mostrarem pouca aderência ou que se apresentarem lascadas, trincadas ou quebradas. A substituição deverá observar todo o processo descrito anteriormente.

O rejuntamento deverá ser feito com pasta obtida pela hidratação de massa pré-fabricada com aditivo antidescolante, especial para juntas de cerâmicas, na cor aproximada da cerâmica. A argamassa de rejuntamento será forçada para dentro das juntas, manualmente, e o excesso de argamassa será removido, antes da sua secagem.

Após a completa secagem, rejuntamento, verificação e correção das eventuais falhas ou defeitos de colocação, as superfícies serão completamente limpas com o uso de pano seco ou estopas.

As eventuais sobras de pasta de rejuntamento, secas e endurecidas não poderão, em hipótese alguma, serem reutilizadas.

Na execução do piso cerâmico deverão ser observados todos os detalhes previstos no projeto, tais como juntas, caimentos, cotas e rodapés.

Deverá ser executado piso cerâmico com a indicação de resistência, conforme plantas de detalhamentos específicos e plantas baixas.

Ao receber a placas cerâmicas, antes de assentar, os seguintes cuidados devem ser tomados:

  • Recebimento do material: verificar se todas as caixas contêm produtos do mesmo tamanho, tonalidade, qualidade, lote e índice PEI (classe de abrasão superficial), e se essas especificações correspondem ao descrito no projeto fornecido;
  • Em caso de defeitos, as placas devem ser separadas para posterior troca, se não forem usadas nos acabamentos.
  • Verificar antes da aplicação dos revestimentos:
    • se a base que receberá o piso/parede está alinhada, plana, no prumo, com a superfície áspera, limpa e isenta de graxas, ceras e curada. Se a base for nova, o emboço ou o contra-piso devem ter cura mínima de 14 dias, e no caso de concreto, 28 dias;
    • livre de fontes de umidade;
    • impermeabilizada, quando necessário como em box e áreas externas;

Executar primeiro o assentamento das paredes e depois o piso;

Após o assentamento, deverá ser aguardado três dias para iniciar o processo de rejuntamento. Durante este tempo não será permitido o tráfego no local;

Obedecer às juntas de assentamento, conforme a especificações do fabricante.

Evitar quedas de objetos pesados e pontiagudos para que não ocorram lascamentos;

Não deverá ser utilizado ácido na limpeza.

Limpeza dos locais de assentamento:

  • A base a ser revestida deverá passar por um processo de limpeza para remoção de pó,
  • sujeira, gordura, bolor e outras substâncias que possam vir a prejudicar a aderência.

Os procedimentos recomendados para a limpeza são os seguintes:

  • escovação com vassoura de piaçaba ou escova de aço;
  • remoção de partículas aderidas com espátula;
  • lavagem com água sob pressão ou jato de areia nos casos de grande impregnação.

Assentamento da Cerâmica:

  • Utilizar somente argamassa própria para cerâmica (cor compatível com a peça cerâmica);
  • Observar o prazo de validade (não utilizar argamassa vencida);
  • Preparar somente com água limpa, nas proporções indicadas na embalagem, até obter uma pasta homogênea;
  • Deixar em repouso por 15 minutos e misturar novamente;
  • A desempenadeira deve ser nova com os dentes de 10 mm e estar em ângulo de 60º em relação à base;
  • Aplique uma camada fina de argamassa colante (3 a 4 mm) com o lado liso da desempenadeira proporcionando assim uma melhor aderência;
  • Estender a argamassa colante sobre a base, com o lado liso da desempenadeira;
  • Logo em seguida passar o lado dentado, formando cordões de sulcos paralelos;
  • Caso os cordões estejam se soltando, houve problemas no preparo da argamassa, como excesso ou falta de água;
  • Não deixar passar mais de 20 minutos para o assentamento das peças;
  • A cada peça deve haver uma junta de 10 mm;
  • As demais juntas devem como as de dilatação e estruturais devem ser mantidas livres em todas as camadas de assentamento;
  • Para as cores claras, utilizar martelo de borracha branca, ou envolva o martelo com um pano;
  • Limpe constantemente as juntas, removendo o excesso de argamassa e mantenha a superfície limpa.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de modo que a superfície final se apresente bem uniforme, nivelada e acabada, com bom acabamento nas juntas e arremates, alinhados e regulares, em conformidade com as indicações do projeto.

d) Medição e Pagamento:

O preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais, ferramentas, equipamentos e mão-de-obra necessários ao assentamento das peças, incluindo argamassa de assentamento, nivelamento, recortes, arremates, acabamento, requadrações, rejuntamento, limpeza, andaimes e demais serviços auxiliares.

A medição será efetuada por m² (metro quadrado) de revestimento fornecido e efetivamente executado, conforme dimensões indicadas em projeto, descontando-se no que exceder a 1,00 m², os vazios cujas superfícies de topo não sejam revestidas.

 

Piso em concreto Fck mínimo de 15Mpa, armado, espessura 10,0cm, preparo mecânico, desempenado, aditivo impermeabilizante.

Piso em concreto Fck mínimo de 15Mpa, armado, espessura 10,0cm, preparo mecânico, desempenado, aditivo impermeabilizante.

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

Piso em concreto armado, Fck mínimo 15Mpa, armadura do piso deverá ser de Ø 4,2 mm a cada 25 cm, nas duas direções, espessura 10cm, preparo mecânico, desempenado, com aditivo impermeabilizante.

O pavimento deverá ter sua área regularizada e compactada, receber lastro em pedra brita de espessura mínima de 5cm, apiloado manualmente, para posterior execução de piso em concreto fck mínimo de 15MPa, desempenado e impermeabilizado com espessura mínima de 10cm.

Deverão ser previstas juntas de construção e dilatação no máximo cada 3,00m.

Todos os materiais serão de qualidade rigorosamente em acordo com o estabelecido para os mesmos nas normas NBR 5732 e NBR 7211. Deverá ser utilizado cimento Portland comum, água doce limpa e isenta de cloro e impurezas, e areia média lavada, peneirada e seca, isenta de impurezas.

Os materiais deverão ser armazenados em local coberto, seco e ventilado, de modo a evitar quaisquer danos e condições prejudiciais.

b) Execução / Controle

Os pisos de concreto só poderão ser executados depois de perfeitamente niveladas as bases do terreno, e após a conclusão da execução das canalizações que passam ou que interferem junto ao espaço.

Antes do lançamento do concreto serão executadas “mestras” niveladoras, em concreto semelhante ao que será utilizado no lastro.

O concreto deverá ser executado mecanicamente, com betoneira convencional ou caminhão betoneira.

O lançamento do concreto será feito em faixas longitudinais, sendo o seu espalhamento executado pela passagem de réguas de madeira ou metálicas deslizando sobre as “mestras” niveladoras, retirando-se todas as cavidades formadas por bolhas de ar ou por incrustação de materiais estranhos. A superfície concretada deve ser protegida com material saturado de água, mantido molhado durante o período de cura.

Deverá ser utilizado piso em concreto polido nos locais definidos em plantas. Os trabalhos deverão ser realizados por técnicos no assunto, sendo que a execução deste tipo de piso obedecerá às etapas abaixo descritas.

Deverá ser executado um contrapiso em concreto Fck maior ou igual a 15 MPa, com brita zero e 1 com adição de impermeabilizante.

Para a perfeita cura as superfícies deverão ser molhadas durante 7 dias após a execução. O concreto, logo após lançado , antes da pega deverá ser vibrado com régua vibratória, ou desempenadeira de aço manual móvel e articulada, própria para piso polido para melhor adensamento e desaparecimento das britas do concreto, para permitir um melhor acabamento do piso, tipo liso sem aparecer os agregados, logo após este serviço e antes da pega deverá ser executado o alisamento do piso com máquina apropriada, de tal forma a acertar os níveis e acabamentos ficando o piso liso sem aparecer às britas e outros agregados do concreto.

Caso necessário deverá ser acrescentada argamassa 1:2 com cimento e areia fina para melhorar o acabamento final do piso de tal forma que fique completamente liso, mesma textura e uniforme.

Deverá ter juntas de dilatação, do tipo plástico, cor cinza, formando quadros, observando-se a modulação de eixo a eixo.

Deverá ser executado o sarrafeamento e desempenamento da superfície do concreto, acompanhando os níveis pré-estabelecidos de forma a não ocorrer empossamentos futuros.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de modo a verificar o perfeito alinhamento, nivelamento e uniformidade das superfícies, de conformidade com as indicações do projeto.

d) Medição e Pagamento:

Esse preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais, ferramentas, equipamentos e mão-de-obra necessários à execução do contrapiso, incluindo acabamento e limpeza.

A medição será efetuada por m² (metro quadrado) de piso efetivamente executado, apurando-se a área conforme as dimensões indicadas no projeto.

Piso em concreto Fck mínimo de 20Mpa, armado, espessura 10,0cm, preparo mecânico, desempenado, aditivo impermeabilizante.

Piso em concreto Fck mínimo de 20Mpa, armado, espessura 10,0cm, preparo mecânico, desempenado, aditivo impermeabilizante.

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

Piso em concreto armado, Fck mínimo 20Mpa, armadura do piso deverá ser de Ø 4,2 mm a cada 25 cm, nas duas direções, espessura 10cm, preparo mecânico, desempenado, com aditivo impermeabilizante.

O pavimento deverá ter sua área regularizada e compactada, receber lastro em pedra brita de espessura mínima de 5cm, apiloado manualmente, para posterior execução de piso em concreto fck mínimo de 20MPa, desempenado e impermeabilizado com espessura mínima de 10cm.

Deverão ser previstas juntas de construção e dilatação no máximo cada 3,00m.

Todos os materiais serão de qualidade rigorosamente em acordo com o estabelecido para os mesmos nas normas NBR 5732 e NBR 7211. Deverá ser utilizado cimento Portland comum, água doce limpa e isenta de cloro e impurezas, e areia média lavada, peneirada e seca, isenta de impurezas.

Os materiais deverão ser armazenados em local coberto, seco e ventilado, de modo a evitar quaisquer danos e condições prejudiciais.

b) Execução / Controle

Os pisos de concreto só poderão ser executados depois de perfeitamente niveladas as bases do terreno, e após a conclusão da execução das canalizações que passam ou que interferem junto ao espaço.

Antes do lançamento do concreto serão executadas “mestras” niveladoras, em concreto semelhante ao que será utilizado no lastro.

O concreto deverá ser executado mecanicamente, com betoneira convencional ou caminhão betoneira.

O lançamento do concreto será feito em faixas longitudinais, sendo o seu espalhamento executado pela passagem de réguas de madeira ou metálicas deslizando sobre as “mestras” niveladoras, retirando-se todas as cavidades formadas por bolhas de ar ou por incrustação de materiais estranhos. A superfície concretada deve ser protegida com material saturado de água, mantido molhado durante o período de cura.

Deverá ser utilizado piso em concreto polido nos locais definidos em plantas. Os trabalhos deverão ser realizados por técnicos no assunto, sendo que a execução deste tipo de piso obedecerá às etapas abaixo descritas.

Deverá ser executado um contrapiso em concreto Fck maior ou igual a 20 MPa, com brita zero e 1 com adição de impermeabilizante.

Para a perfeita cura as superfícies deverão ser molhadas durante 7 dias após a execução. O concreto, logo após lançado , antes da pega deverá ser vibrado com régua vibratória, ou desempenadeira de aço manual móvel e articulada, própria para piso polido para melhor adensamento e desaparecimento das britas do concreto, para permitir um melhor acabamento do piso, tipo liso sem aparecer os agregados, logo após este serviço e antes da pega deverá ser executado o alisamento do piso com máquina apropriada, de tal forma a acertar os níveis e acabamentos ficando o piso liso sem aparecer às britas e outros agregados do concreto.

Caso necessário deverá ser acrescentada argamassa 1:2 com cimento e areia fina para melhorar o acabamento final do piso de tal forma que fique completamente liso, mesma textura e uniforme.

Deverá ter juntas de dilatação, do tipo plástico, cor cinza, formando quadros, observando-se a modulação de eixo a eixo.

Deverá ser executado o sarrafeamento e desempenamento da superfície do concreto, acompanhando os níveis pré-estabelecidos de forma a não ocorrer empossamentos futuros.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de modo a verificar o perfeito alinhamento, nivelamento e uniformidade das superfícies, de conformidade com as indicações do projeto.

d) Medição e Pagamento:

Esse preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais, ferramentas, equipamentos e mão-de-obra necessários à execução do contrapiso, incluindo acabamento e limpeza.

A medição será efetuada por m² (metro quadrado) de piso efetivamente executado, apurando-se a área conforme as dimensões indicadas no projeto.

 

Pintura Tinta Esmalte, para madeira, duas demãos, cor a definir, com aplicação de 1 demãos de fundo próprio para madeira.

Pintura Tinta Esmalte, para madeira, duas demãos, cor a definir, com aplicação de 1 demãos de fundo próprio para madeira.

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

  • Fundo Branco Próprio para Madeiras, Suvinil ou equivalente técnico, 1 demão.
  • Tinta esmalte sintético acetinado, cor a definir conforme projeto, Suvinil ou equivalente, sem benzeno, 2 demãos.

Especificação Genérica dos materiais:

Todos os materiais deverão ser recebidos em seus recipientes originais, contendo as indicações do fabricante, identificação da tinta, numeração da fórmula, e deverão estar com seus rótulos intactos.

A área para o armazenamento das tintas deverá ser ventilada e vedada para garantir um bom desempenho dos materiais, bem como prevenir incêndios ou explosões provocadas por armazenagem inadequada. Esta área será mantida limpa, sem resíduos sólidos, os quais serão removidos ao término de cada dia de trabalho.

De modo geral, os materiais básicos que poderão ser utilizados nos serviços de pintura são:

  • Corantes, naturais ou superficiais;
  • Dissolventes;
  • Diluentes, para dar fluidez;
  • Aderentes, propriedades de aglomerantes e veículos dos corantes;
  • Cargas, para dar corpo e aumentar o peso;
  • Plastificante, para dar elasticidade;
  • Secante, com o objetivo de endurecer e secar a tinta.

b) Execução / Controle

Execução / Controle – Geral:

Para a execução de qualquer tipo de pintura, deverão ser observadas as seguintes diretrizes gerais:

  • De acordo com a classificação das superfícies, estas serão limpas, escovadas e raspadas de modo a remover sujeiras, poeiras e outras substâncias estranhas e estarem livres de partículas soltas, ou quaisquer resíduos. As superfícies deverão estar perfeitamente secas, sem gordura, lixadas e seladas para receber o acabamento;
  • Cada superfície deverá ser devidamente preparada de acordo com o tipo de substrato e o sistema de pintura ao qual será submetida;
  • Em todas as superfícies emboçadas, deverão ser verificadas eventuais trincas ou outras imperfeições visíveis, aplicando-se enchimento de massa, conforme o caso, e lixando-se levemente as áreas que não se encontrem bem niveladas e aprumadas;
  • As juntas estruturais de construção ou de dilatação, existentes ou definidas no Projeto de Estrutura de Concreto, deverão ser rigorosamente obedecidas na execução dos sistemas de pintura;
  • As superfícies a pintar serão protegidas quando perfeitamente secas e lixadas;
  • Cada demão de tinta somente será aplicada quando a precedente estiver perfeitamente seca, devendo-se observar um intervalo de 24 horas entre demãos sucessivas;
  • Igual cuidado deverá ser tomado entre demãos de tinta e de massa plástica, observando um intervalo mínimo de 48 horas após cada demão de massa;
  • Deverão ser adotadas precauções especiais, a fim de se evitar respingos de tinta em superfícies não destinadas à pintura, como vidros, ferragens de esquadrias e outras.

Recomendam-se as seguintes cautelas para proteção de superfícies e peças:

  • Isolamento com tiras de papel, pano ou outros materiais;
  • Separação com tapumes de madeira, chapas de fibras de madeira comprimidas ou outros materiais;
  • Remoção de salpicos, enquanto a tinta estiver fresca, empregando-se um removedor adequado, sempre que necessário.

Antes do início de qualquer trabalho de pintura, preparar uma amostra de cores com as dimensões mínimas de 0,50 x 1,00 m, no próprio local a que se destina, para aprovação da Fiscalização. Deverão ser usadas as tintas já preparadas em fábricas, não sendo permitidas composições, salvo se especificadas pelo projeto ou pela Fiscalização.

As tintas aplicadas serão diluídas, conforme orientação do fabricante, e aplicadas na proporção recomendada. As camadas serão uniformes, sem escorrimentos, falhas ou marcas de pincéis.

Os recipientes utilizados no armazenamento, mistura e aplicação das tintas deverão estar limpos e livres de quaisquer materiais estranhos ou resíduos.

Todas as tintas serão rigorosamente misturadas dentro das latas e, periodicamente, mexidas com uma espátula limpa, antes e durante a aplicação, a fim de se obter uma mistura densa e uniforme, e de se evitar a sedimentação dos pigmentos e componentes mais densos.

Para pinturas internas de recintos fechados serão usadas máscaras, salvo se forem empregados materiais não tóxicos. Além disso, deverá haver ventilação forçada no recinto.

Os trabalhos de pintura em locais desabrigados serão suspensos em tempos de chuva ou de excessiva umidade.

Madeira:

Eliminar qualquer espécie de brilho, usando lixa 360/400;

Partes soltas ou mal aderidas devem ser eliminadas, raspando, ou escovando a superfície.

Procedimentos:

Aplicar uma demão de Fundo Branco próprio para madeira, diluído em até 20% com Aguarrás;

Aplicar duas demãos de Esmalte Sintético diluído em até 15% de aguarrás, na primeira demão, e 10% nas demais, com o auxílio de rolo de espuma.

Para uso com pistola, diluír em 20% de aguarrás.

Recortes devem ser feitos com o uso de pincel

Aplicar três demãos de esmalte sintético;

Locais de aplicação: conforme demarcado nas plantas baixas e plantas de detalhamentos específicos.

Após a lixação, a superfície deve estar limpa para a aplicação do Fundo Branco. Embora o tempo de secagem ao toque seja de 4 horas, deverá se aguardar 24 horas para a aplicação do Esmalte.

A aplicação do esmalte deve respeitar o tempo de secagem entre as demãos. O tempo mínimo é de 5 horas, exceto quando o fabricante apresentar especificação diversa.

Deverão ser seguidas demais recomendações do fabricante.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de conformidade com as indicações de projeto, bem como com as diretrizes gerais destas especificações técnicas.

d) Medição e Pagamento:

O preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais, ferramentas, equipamentos e mão-de-obra necessários à execução da pintura, incluindo preparo, aplicação da tinta nas demãos necessárias, proteções, limpeza, andaimes e demais serviços complementares.

A medição será efetuada por m² (metro quadrado) efetivamente executado, apurando-se a área conforme as dimensões indicadas no projeto, e descontando-se apenas áreas de vazios ou interferências que excederem a 2,00 m².

 

Pintura Tinta Esmalte, para metais, duas demãos, cor a definir, com aplicação de 1 demãos de fundo anticorrosivo.

Pintura Tinta Esmalte, para metais, duas demãos, cor a definir, com aplicação de 1 demãos de fundo anticorrosivo.

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

  • Fundo Anticorrosivo, tipo Zarcão, Suvinil ou equivalente técnico, 1 demão.
  • Tinta esmalte sintético acetinado, cor a definir conforme projeto, Suvinil ou equivalente, sem benzeno, 2 demãos.

Especificação Genérica dos materiais:

Todos os materiais deverão ser recebidos em seus recipientes originais, contendo as indicações do fabricante, identificação da tinta, numeração da fórmula, e deverão estar com seus rótulos intactos.

A área para o armazenamento das tintas deverá ser ventilada e vedada para garantir um bom desempenho dos materiais, bem como prevenir incêndios ou explosões provocadas por armazenagem inadequada. Esta área será mantida limpa, sem resíduos sólidos, os quais serão removidos ao término de cada dia de trabalho.

De modo geral, os materiais básicos que poderão ser utilizados nos serviços de pintura são:

  • Corantes, naturais ou superficiais;
  • Dissolventes;
  • Diluentes, para dar fluidez;
  • Aderentes, propriedades de aglomerantes e veículos dos corantes;
  • Cargas, para dar corpo e aumentar o peso;
  • Plastificante, para dar elasticidade;
  • Secante, com o objetivo de endurecer e secar a tinta.

b) Execução / Controle

Execução / Controle – Geral:

Para a execução de qualquer tipo de pintura, deverão ser observadas as seguintes diretrizes gerais:

  • De acordo com a classificação das superfícies, estas serão limpas, escovadas e raspadas de modo a remover sujeiras, poeiras e outras substâncias estranhas e estarem livres de partículas soltas, ou quaisquer resíduos. As superfícies deverão estar perfeitamente secas, sem gordura, lixadas e seladas para receber o acabamento;
  • Cada superfície deverá ser devidamente preparada de acordo com o tipo de substrato e o sistema de pintura ao qual será submetida;
  • Em todas as superfícies emboçadas, deverão ser verificadas eventuais trincas ou outras imperfeições visíveis, aplicando-se enchimento de massa, conforme o caso, e lixando-se levemente as áreas que não se encontrem bem niveladas e aprumadas;
  • As juntas estruturais de construção ou de dilatação, existentes ou definidas no Projeto de Estrutura de Concreto, deverão ser rigorosamente obedecidas na execução dos sistemas de pintura;
  • As superfícies a pintar serão protegidas quando perfeitamente secas e lixadas;
  • Cada demão de tinta somente será aplicada quando a precedente estiver perfeitamente seca, devendo-se observar um intervalo de 24 horas entre demãos sucessivas;
  • Igual cuidado deverá ser tomado entre demãos de tinta e de massa plástica, observando um intervalo mínimo de 48 horas após cada demão de massa;
  • Deverão ser adotadas precauções especiais, a fim de se evitar respingos de tinta em superfícies não destinadas à pintura, como vidros, ferragens de esquadrias e outras.

Recomendam-se as seguintes cautelas para proteção de superfícies e peças:

  • Isolamento com tiras de papel, pano ou outros materiais;
  • Separação com tapumes de madeira, chapas de fibras de madeira comprimidas ou outros materiais;
  • Remoção de salpicos, enquanto a tinta estiver fresca, empregando-se um removedor adequado, sempre que necessário.

Antes do início de qualquer trabalho de pintura, preparar uma amostra de cores com as dimensões mínimas de 0,50 x 1,00 m, no próprio local a que se destina, para aprovação da Fiscalização. Deverão ser usadas as tintas já preparadas em fábricas, não sendo permitidas composições, salvo se especificadas pelo projeto ou pela Fiscalização.

As tintas aplicadas serão diluídas, conforme orientação do fabricante, e aplicadas na proporção recomendada. As camadas serão uniformes, sem escorrimentos, falhas ou marcas de pincéis.

Os recipientes utilizados no armazenamento, mistura e aplicação das tintas deverão estar limpos e livres de quaisquer materiais estranhos ou resíduos.

Todas as tintas serão rigorosamente misturadas dentro das latas e, periodicamente, mexidas com uma espátula limpa, antes e durante a aplicação, a fim de se obter uma mistura densa e uniforme, e de se evitar a sedimentação dos pigmentos e componentes mais densos.

Para pinturas internas de recintos fechados serão usadas máscaras, salvo se forem empregados materiais não tóxicos. Além disso, deverá haver ventilação forçada no recinto.

Os trabalhos de pintura em locais desabrigados serão suspensos em tempos de chuva ou de excessiva umidade.

Metais:

Eliminar qualquer espécie de brilho, usando lixa 150 a 220;

Partes soltas ou mal aderidas devem ser eliminadas, raspando, ou escovando a superfície;

Manchas de gordura ou graxa devem ser eliminadas com solução de água e

detergente; enxaguar e aguardar a secagem;

Partes mofadas devem ser eliminadas, lavando a superfície com água sanitária. Em seguida, passar um pano úmido e aguardar a secagem;

Ferro novo sem indício de ferrugem: utilizar lixa 150 a 220 e eliminar o pó. Aplicar uma demão de fundo óxido de ferro. Aguardar a secagem e novamente utilizar lixa 360/400; eliminar o pó;

Ferro com ferrugem: eliminar totalmente a ferrugem utilizando lixa 80 a 150 e/ou escova de aço. Aplicar uma demão de Zarcão. Após a secagem, lixar 360/400 e eliminar o pó;

Ferro repintura: utilizar lixa 360/400 a superfície e eliminar o pó. Tratar os pontos de ferrugem como descrito acima;

Procedimentos:

Aplicar uma demão de Fundo anticorrosivo, diluído em até 15% com Aguarrás;

Aplicar duas demãos de Esmalte Sintético diluído em até 15% de aguarrás, na primeira demão, e 10% nas demais, com o auxílio de rolo de espuma.

Para uso com pistola, diluír em 20% de aguarrás.

Recortes devem ser feitos com o uso de pincel

Locais de aplicação: conforme demarcado nas plantas baixas e plantas de detalhamentos específicos.

Após a lixação, a superfície deve estar limpa para a aplicação do Fundo Anticorrosivo. Embora o tempo de secagem ao toque seja de 4 horas, deverá se aguardar 24 horas para a aplicação do Esmalte.

A aplicação do esmalte deve respeitar o tempo de secagem entre as demãos. O tempo mínimo é de 5 horas, exceto quando o fabricante apresentar especificação diversa.

Deverão ser seguidas demais recomendações do fabricante.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de conformidade com as indicações de projeto, bem como com as diretrizes gerais destas especificações técnicas.

d) Medição e Pagamento:

O preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais, ferramentas, equipamentos e mão-de-obra necessários à execução da pintura, incluindo preparo, aplicação da tinta nas demãos necessárias, proteções, limpeza, andaimes e demais serviços complementares.

A medição será efetuada por m² (metro quadrado) efetivamente executado, apurando-se a área conforme as dimensões indicadas no projeto, e descontando-se apenas áreas de vazios ou interferências que excederem a 2,00 m².

 

 

Cobertura em telha de fibrocimento modelo ondulada 8mm, inclusive acessórios de fixação.

Cobertura em telha de fibrocimento modelo ondulada 8mm, inclusive acessórios de fixação.

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

  • Telhas fibrocimento com espessura de 8 mm inclusive cumeeira e acessórios de fixação. As telhas deverão ser apoiadas sobre estrutura de madeira própria nos locais indicados nas plantas específicas do projeto de cobertura.

Sistema de cobertura em telhas de fibrocimento estrutural, modelo ondulada, BRASILIT, ou equivalente, acabamento natural, espessura 8mm, com arremates (arremates de borda, cumeeira e espaçadores), acessórios e elementos para fixação e completa vedação do sistema (fixadores, fechamento de onda, fitas de vedação, massa de arremate, ganchos e calços) a serem fornecidos pelo mesmo fabricante da telha.

O sistema deverá ser completo, constituído por telhas, espaçadores, pingadeiras e demais elementos de arremates, isolação e acessórios de fixação e vedação necessários para o seu perfeito funcionamento. Todos os elementos deverão ser do mesmo fabricante da telha. Deverão ser fornecidos detalhes do fabricante/fornecedor.

As telhas serão de procedência conhecida e idônea, com cantos retilíneos, isentas de rachaduras, furos e amassaduras.

O armazenamento será realizado em local seco, coberto e ventilado, de preferência próximo da montagem, em área plana, com as peças na posição vertical. As telhas devem ser acomodadas sobre suportes de alturas dife­rentes, de forma a dar alguma inclinação ao fardo. Na impossibilidade, as telhas serão apoiadas sobre suportes de madeira, afastadas do piso no mínimo 15cm, espaçados de 3 m, aproximadamente, de altura variável, de modo que a pilha fique ligeiramente inclinada, com espaço suficiente para a ventilação entre as peças, de modo a evitar o contato das extremidades com o solo.

As peças de acabamento e arremate serão armazenadas com os mesmos cuidados, juntamente com as telhas. Os conjuntos de fixação serão acondicionados em caixas, etiquetadas com a indicação do tipo e quantidade e protegidas contra danos.

b) Execução / Controle:

Para o manuseio das telhas deverão ser seguidas as recomendações do fabricante.

A disposição das peças deverá obedecer às orientações e aos detalhes do fabricante/fornecedor.

Deverão ser tomadas todas as medidas complementares necessárias para garantir a rigidez da fixação das peças. Antes do início da montagem das telhas, deverá ser verificada a compatibilidade da estrutura de sustentação com o projeto da cobertura. Se existirem irregularidades, serão realizados os ajustes necessários.

O assentamento das telhas será realizado cobrindo-se simultaneamente as águas opostas do telhado, a fim de efetuar simetricamente o carregamento da estrutura de sustentação.

Serão obedecidos os recobrimentos mínimos indicados pelo fabricante, em função da inclinação do telhado. As telhas serão fixadas às estruturas de sustentação por meio de dispositivos adequados, de conformidade com as especificações do fabricante e detalhes do projeto.

O assentamento deverá ser executado no sentido oposto ao dos ventos predominantes. Os acabamentos e arremates serão executados de conformidade com as especificações do fabricante e detalhes do projeto.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de modo a verificar a perfeita uniformidade dos panos, o alinhamento e encaixe das telhas e beirais, bem como a fixação e vedação da cobertura.

d) Medição e Pagamento:

O preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais, ferramentas e mão-de-obra necessários à colocação das telhas, incluindo acessórios, elementos de fixação e vedação, fixação na estrutura do telhado, cortes, arremates, andaimes, limpeza e demais serviços auxiliares para a perfeita instalação da cobertura.

A medição da cobertura será efetuada por m2 (metro quadrado) de cobertura executada, apropriada pela área de projeção da cobertura no plano horizontal, conforme projeto.

 

Vidro Laminado 4+4mm

Vidro Laminado 4+4mm

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

Deve ser utilizado vidro com as seguintes características:

Vidro laminado com 8 mm de espessura (4+4), com película de PVB (Poli Vinil Butiral) entre as placas de vidro 4mm, nos locais indicados nas plantas de detalhamentos específico e/ou conforme planilha de esquadrias.

Os vidros serão de procedência conhecida e idônea, de características adequadas ao fim a que se destinam, sem empenamentos, claros, sem manchas, bolhas e de espessura uniforme. Os vidros deverão obedecer aos requisitos da NBR 11706.

b) Execução / Controle:

Os vidros serão instalados após o fornecimento das esquadrias, e somente quando ests já estiverem com o acabamento pronto. Ainda, os vidros instalados deverão ser fixados com baguetes metálicos ( e não massa de vidraceiro), devendo ser instalados em perfeitas condições. A fiscalização deve acompanhar o processo para certificar-se de que todos os vidros instalados são laminados. A peça de vidro deve ter as bordas totalmente cobertas pelo baguete evitando a fragilização das peças.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de modo a verificar a conformidade com o projeto. Serão verificados igualmente espessuras e condições dos vidros instalados.

d) Medição e Pagamento:

O preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais, ferramentas, equipamentos e mão-de-obra necessários à execução dos serviços, incluindo o fornecimento e transporte das peças.

A medição será efetuada por m² de vidro colocada, conforme as dimensões indicadas no projeto.

 

 

 

Alvenaria em Bloco Estrutural de Concreto 3Mpa, espessura 10cm.

Alvenaria em Bloco Estrutural de Concreto 3Mpa, espessura 10cm.

Localização: Projeto deve indicar o local onde está sendo utilizado o produto especificado.

a) Especificação dos materiais:

  • Alvenaria em bloco de concreto estrutural com espessura 10cm, resistência de 3Mpa. Alvenaria composta por blocos de concreto estrutural, tamanhos diversos conforme detalhamento, com resistência comprovada de 3Mpa, TECMOLD, ou equivalente técnico, assentado com argamassa ASTM C270.

b) Execução / Controle:

A alvenaria deve ser feita respeitando-se as perfeitas condições dos materiais, bem como às certificações técnicas exigidas, em especial cuidado ao assentamento dos blocos de acordo com as resistências indicadas para cada parede, de modo evitar “troca de materiais”.

A execução deve ser realizada por profissional treinado, habilitado e com conhecimento prévio em alvenaria estrutural.

Os blocos devem ser fabricados e curados por processos que assegurem a obtenção de um concreto suficientemente homogêneo e compacto, de modo a atender a todas as exigências da norma específica. Os lotes devem ser identificados pelo fabricante, segundo sua procedência, transportados e manipulados com as devidas precauções, para não terem sua qualidade prejudicada.

Os blocos devem ter arestas vivas e não devem apresentar trincas, fraturas ou outros defeitos que possam prejudicar o seu assentamento ou afetar a resistência e a durabilidade da construção, não sendo permitido qualquer reparo que oculte defeitos eventualmente existentes no bloco.

Por ocasião do pedido de cotação de preços, o comprador deve indicar o local da entrega do material, bem como a classe, a resistência característica à compressão, as dimensões e outras condições particulares dos blocos desejados especificados no projeto.

Para fins de fornecimentos regulares, a unidade de compra é o bloco.

Se necessário, os blocos de concreto serão ensaiados em conformidade com os métodos indicados nas normas.

O armazenamento e o transporte dos blocos serão realizados de modo a evitar quebras, trincas, umidade, contato com substâncias nocivas e outras condições prejudiciais. Deve ser feito de forma racionalizada, por meio de carrinhos ou equipamentos apropriados, aumentando a eficiência da mão de obra e evitando o desperdício de material. Amostras deverão ser submetidas à Fiscalização para aprovação.

Seguindo as indicações do fabricante para o correto assentamento dos blocos, deve-se preencher completamente com argamassa as juntas entre os blocos, ressaltando que a espessura da junta não deve ultrapassar 10mm.

Não deve-se deixar cair argamassa nos vãos dos blocos, nem ser utilizado argamassa que caiu no chão.

Será necessária atenção especial na questão do alinhamento dos blocos, pois como a parede terá uma espessura fina de reboco, qualquer peça fora do prumo acarretará em danos no acabamento e desperdício de argamassa. No caso de haver correção do prumo, o assentamento e o alinhamento de um bloco deve ocorrer somente no momento de colocá-lo. Se necessário, retire o bloco com a argamassa e assente-o novamente.

Sempre utilizar argamassa misturada na betoneira, nunca em caixa de mistura, depois de misturada a argamassa, o tempo máximo para uso é de duas horas, após esse período, não utilizar.

Usar somente argamassa com plasticidade suficiente para aderir às juntas e nunca altere o seu traço colocando cimento ou areia. Só é permitido usar água na mistura, para não prejudicar a qualidade da sua liga.

Depois de prumados, nivelados e alinhados, assente com cuidado os blocos. A primeira fiada é muito importante, pois se não estiver perfeita, comprometerá todo o trabalho.

Caso algum bloco fique fora de posição, bata nele cuidadosamente com o martelo de borracha. Nunca tente realinhá-lo depois de assentar a fiada seguinte ou superior.

Alinhe a argamassa sobre as paredes do bloco usando uma quantidade tal que permita eliminar o seu excesso ao ajustá-lo na posição.

Os blocos devem ser colocados em pé para receber a argamassa nas bordas dos blocos (incluindo os já assentados).

Para instalações hidráulicas, serão utilizados os blocos canaleta e os blocos meio canaleta. Para instalações elétricas, use os blocos vazados e, eventualmente, os canaleta, passando as tubulações pelos seus vãos.

Quanto às instalações elétricas, a preparação dos blocos serrados para embutir as caixas de eletricidade, deve ser feita em uma bancada. Primeiro, marque os blocos e, depois corte-os. Posteriormente, as caixas de eletricidade serão chumbadas nos vazios cortados, que devem ser mais largos do que elas, possibilitando alinhá-las em ambientes nos quais haja duas ou mais na mesma altura.

Para a instalação das vergas, a alvenaria deve estar perfeitamente nivelada, cada verga deve ser assentada sobre a mesma argamassa do bloco e o vão da porta deve estar na sua exata medida.

A argamassa de assentamento a ser utilizada deverá do tipo ASTM C270, esta que é recomendada por ser utilizada nesse tipo de material, servindo para ligar os componentes da estrutura e vedar as juntas contra entrada de ar e água, assim como a solidarização dos blocos, absorção dos esforços originados pela movimentação da estrutura, distribuir uniformemente os esforços nas paredes, impedindo a transmissão de cargas concentradas originadas pelas variações dimensionais dos blocos e acomodar as armaduras horizontais.. Além das indicações do fabricante, deverá ser respeitada a norma específica para esse tipo de argamassa, assim como o traço indicado para a resistência de cada bloco, sendo vedada a adição de qualquer tipo de material, exceto água, no momento da mistura. A alteração do traço pode comprometer as propriedades do material e as funções respectivas.

Após realizada as juntas entre os blocos, será feita a limpeza, utilizando-se panos ou esponja seca. Esta limpeza visa não criar relevos no reboco.

Permanecendo restos de argamassa endurecida que venham a formar cristas sobre a alvenaria, recomenda-se a utilização de escova de aço com cerdas finas.

Qualquer duvida quanto à execução das alvenarias estruturais sempre deverão ser comunicadas ao órgão responsável pela fiscalização, evitando assim, problemas posteriores.

c) Recebimento:

Todas as etapas do processo executivo deverão ser inspecionadas pela Fiscalização, de modo a verificar a perfeita execução da estrutura, a locação, o alinhamento, o nivelamento, o prumo, bem como arremates, em conformidade com o projeto. Não serão aceitos materiais que apresentem deformações, amassamentos, violações, oxidações ou outras irregularidades de qualquer natureza, mesmo que provenientes de falha no transporte, fabricação e/ou instalação.

d) Medição e Pagamento:

O preço deverá compreender todas as despesas decorrentes do fornecimento dos materiais e mão-de-obra necessários ao transporte, entrega e instalação da estrutura, conforme especificações e recomendações do fabricante, incluindo materiais acessórios, acabamentos, serviços auxiliares de limpeza e outros serviços complementares. A medição será efetuada por m² de alvenaria executada.