Orçamentos Sinapi, como alterar coeficientes de uma composição.

A compreensão de como funcionam os coeficientes das planilhas SINAPI permitirá maiores possibilidades dentro da elaboração de orçamentos. Isso por que a tabela de composição não possui a totalidade dos itens dos insumos. Ao mesmo tempo nem sempre substituir é tão simples assim, pois nem sempre são equivalentes. Um exemplo simples disso é a execução de tubulações soldadas. A necessidade de cola para uma tubulação de diâmetro inferior é sabidamente menor do que de uma tubulação de maior diâmetro. Embora muitas vezes se reflitam em pequenos valores, um dos aspectos mais importantes de elaborar um orçamento para orgãos públicos é que a informação deve ser além de transparente e clara, sabidamente algo de conhecimento de todos.

Neste sentido, as planilhas do Sinapi garantem uma quantidade relativamente grande de itens a serem considerados como referência, o que serve de modo muito adequado para obras públicas. Nem sempre a sua aplicação será tão grande em obras privadas. O referencial de custos porém sempre se manterá, o que permite definir inclusive padrões de custos elevados ou baixos.

Já tratamos anteriormente sobre como substituir insumos dentro de uma composição, sem a necessidade de alterar coeficientes.  Do mesmo modo, já abordamos a questão da desoneração. Agora vamos tratar dos casos em que são necessários alterar os coeficientes. Ou seja, casos onde há a similaridade de produto, mas que demandará mais tempo ou mesmo mais materiais complementares.

Como já tratado anteriormente, não nos cabe definir estes coeficientes. Nos cabe, neste caso, interpolar em relação a outras composições de modo a chegar aos valores de que precisamos. Para entender exatamente a que nos referimos quando falamos em interpolação, novamente vamos tratar de um caso prático.

Desta vez vamos trabalhar com as Planilha do Estado de São Paulo, não desoneradas, para o mês de setembro de 2017. As tabelas podem ser encontradas no link do Sinapi da Caixa Econômica Federal.

Você também pode acessar os arquivos aqui.

SINAPI_ref_Insumos_Composicoes_SP_092017_NaoDesonerado

As composições que vamos utilizar no nosso exemplo referem-se a instalação de eletrodutos, especificamente a eletrodutos rígidos roscáveis, para circuitos terminais, instalados em laje (fornecimento e instalação). Temos 4 composições disponíveis, para este serviço, considerando os diâmetros de 20mm, 25mm, 32mm e 40mm (1/2″, 3/4″, 1″ e 1 1/4″). Na tabela de insumos, porém, a variedade de diâmetros é bem superior, incluindo peças de 1 1/2″ a 4″.

A dúvida que muitos tem é como determinar os valores para estes produtos. Para isso, vamos analisar o que compõe esta composição no catálogo e Composições Analíticas. Abaixo o link do arquivo que iremos utilizar, também extraído do site da Caixa Econômica Federal. Lembrem-se, ele é mensal. Ou seja, para cada mês, o catálogo pode mudar, devendo o profissional ficar atento.

CATALOGO_COMPOSICOES_ANALITICAS_EXCEL_09_2017

Segue destacado as composições existentes. Observe que o valor da mão-de-obra relacionada varia, aumentando conforme aumento do diâmetro.

Imaginemos que seja necessário orçar Eletroduto Rígido Roscável, Para Circuitos Terminais, instalados em laje, de diâmetro de 3″. É necessário determinar como estabelecer o preço relacionado aos outros elementos que compõem a composição além do eletroduto. Para isso, teremos que nos basear nos coeficientes das composições existentes.

A composição irá considerar o valor do metro linear do material que queremos utilizar, no caso:

Código Insumo 2686 – ELETRODUTO DE PVC RIGIDO ROSCAVEL DE 3 “, SEM LUVA

E devemos considerar o demais ítens conforme segue:

Código Insumo 34562 – ARAME RECOZIDO 16 BWG, 1,60 MM (0,016 KG/M)

Para determinar o valor do coeficiente, analisamos a relação entre aumento de coeficiente em relação ao aumento do diâmetro (dividimos o valor para cada do maior pelo menor). Desta forma temos que de 25 para 20mm, aumentamos em 25% o diâmetro e aumentamos em 12,5% o coeficiente. De 32 para 25mm, o aumento é de 28% no diâmetro e 11,11% no coeficiente. E de 40 para 32mm, o aumento é de 25% no diâmetro e 15% no coeficiente. Na ausência de um padrão, ou mesmo de um padrão de crescimento (não aumenta na mesma proporção conforme aumenta o diâmetro), você em geral deve seguir o que for mais próximo. Ou seja, o 15% que se referem ao aumento de maior diâmetro. Neste sentido, o procedimento para determinar  valor do coeficiente do arame é aplicar uma regra de 3, onde, se aumentando 25% no diâmetro, aumenta-se 15% no coeficiente, para um aumento de 87,5% do diâmetro teremos um aumento de 52,5%. Ou seja, considerando os valor da composição de 40mm temos que, para a composição de 3″ (75mm), o valor do coeficiente do arame será de 0,0035075.

Este mesmo procedimento deve ser feito para os demais elementos da composição, conforme descrevemos abaixo. No caso abaixo, iremos fazer em conjunto já que os coeficientes de ambos são os mesmos.

Código da Composição 88247 – AUXILIAR DE ELETRICISTA COM ENCARGOS COMPLEMENTARES

Código da Composição 88264 – ELETRICISTA COM ENCARGOS COMPLEMENTARES

De 25 para 20mm, aumentamos em 25% o diâmetro e aumentamos em 20% o coeficiente. De 32 para 25mm, o aumento é de 28% no diâmetro e 23,53% no coeficiente. E de 40 para 32mm, o aumento é de 25% no diâmetro e 22,22% no coeficiente. Novamente pela ausência de um padrão, ou mesmo de um padrão de crescimento (não aumenta na mesma proporção conforme aumenta o diâmetro), você em geral deve seguir o que for mais próximo. Ou seja, o 22,22% que se referem ao aumento de maior diâmetro. Neste sentido, o procedimento para determinar  valor do coeficiente do arame é aplicar novamente a regra de 3, onde, se aumentando 25% no diâmetro, aumenta-se 22,22% no coeficiente, para um aumento de 87,5% do diâmetro teremos um aumento de 77,77%. Ou seja, considerando os valor da composição de 40mm temos que, para a composição de 3” (75mm), o valor do coeficiente do arame será de 0,2727658.

A composição ficaria assim:

É importante compreender, porém, que este trabalho deve ser responsável técnico, arquiteto ou engenheiro, que saiba analisar de modo cauteloso os condicionantes de cada situação  para se chegar ao valor compatível dos serviços que se esta orçando. Isto por que falhas nos orçamentos são motivadores de aditivos e a cultura dos aditivos nas licitações públicas criam oportunidades para corruptos e corruptores.

Equipe Capsula