Partido Arquitetônico, condicionantes a considerar.

O Partido Arquitetônico é uma das etapas mais preliminares de um projeto, mas ao mesmo tempo uma das mais importantes. O Partido é o norte de um arquiteto. Se bem estruturado, permitirá o desenvolvimento de um projeto de sucesso, de uma obra de sucesso. Isso por que nesta etapa inicial, devem ser analisados diversos condicionantes que influenciam no projeto.

Terreno

Há muito que um terreno pode dizer ao arquiteto. É a base sobre a qual iremos implantar o projeto. Não há como fazer um projeto desconectado de seu entorno. Ao mesmo tempo, a análise do terreno em si também é fundamental pois topografia e condicionantes da área – como vegetação, estruturas, corpo d’água, por exemplo – são fundamentais para determinar o partido.  Muitas vezes não temos um levantamento topográfico planialtimétrico no qual nos basear. Nestes momentos, Mapas aerofotogamétricos de Prefeituras podem auxiliar nos estudos iniciais.

Finalidade / Função

A determinação do uso é fundamental para a determinação de fluxos, de circulações, conexões, que irão ser propostas no projeto. Embora você esteja pensando que isso seja óbvio, na análise do partido, pode-se chegar a conclusão que determinadas funções são inviáveis para determinadas áreas. Para entender melhor isso, podemos exemplificar com áreas onde determinadas funções já estão saturadas. Imaginemos uma área já bastante abastecida por comércio. A proposição de um novo centro comercial pode se tornar inviável.

Implantação

A implantação nasce da análise do lote. Implantações bem estruturadas consideram os condicionantes do terreno e seu entorno, propondo uma ocupação da área. Há diferentes possibilidades, dependendo dos aspectos legais. Há cidades que permitem a ocupação total do terreno, 90%, 70%. Usar o máximo nem sempre será a melhor opção. Hoje, os empreendimentos buscam soluções diferenciadas de modo a destaca-se no conjunto da cidade, seja diferenciais econômicos ou mesmo ambientais. O que usar dependerá do perfil do empreendimento que se propõe. O trabalho do arquiteto nunca é uma fórmula certa.

Forma e Volume

O estudo de forma e volumetria é um dos mais trabalhados nesta etapa de partido arquitetônico. Isso por que o arquiteto possui um grande preocupação estética. Ao mesmo tempo, é a partir da volumetria do projeto que o objeto arquitetônico será percebido. Pode ou não estar vinculado ao programa ao auxiliar no zoneamento e percepção do projeto. Por exemplo, o SESC 24 de Maio de Paulo Mendes da Rocha. Os serviços como colocados em um volume lateral, em um terreno novo adquirido para esta função. Volume e Zoneamento do Programa trabalham juntos, facilitando a percepção e uso por parte do público.

Programa

Não há partido arquitetônico sem a determinação do Programa de Necessidades. Este nasce de condicionantes legais, aspectos funcionais consagrados, e diferenciais que o arquiteto busque para o seu projeto. Um prédio de apartamentos será composto pelos apartamentos em si, aspectos legais exigidos pela legislação vigente (reservatórios, estacionamentos, infra-estrutura, etc), e um diferencial do empreendimento – sejam estes áreas de uso comum, áreas de preservação, trilhas ecológicas, lagos artificiais, campos de golfe (o céu é o limite).

Legislação

A legislação é um dos condicionantes mais complexos de um partido. Isso por que códigos de edificação e legislações de proteção de incêndio interferem não só em funções necessárias mas na forma em si. A legislação de prevenção de incêndio, por exemplo, determina limites de tamanho para circulações, o que pode inviabilizar determinados partidos arquitetônicos. É importante conhecer a lei e se manter atualizado.

Elementos Construtivos (tecnologia)

No momento do estudo do Partido Arquitetônico, é importante ter em mente quais elementos construtivos irão ser considerados. É neste momento que o arquiteto deve estudas as possibilidades e determinar qual técnica é mais adequada ao seu projeto. As etapas seguintes serão de ajuste desta tecnologia ao projeto proposto. Por exemplo, se o cliente precisa de agilidade no  tempo de construção, a tecnologia metálica ou metálica ganham força. Ao mesmo tempo, estruturas metálicas tem restrições quanto ao uso para determinadas funções. É importante estar atento aos condicionantes legais em relação aos elementos construtivos.

Flexibilidade

Embora os projetos não devam ser todos flexíveis, é importante considerar uma flexibilidade na etapa do partido arquitetônico, uma vez que mudanças são comuns ao do desenvolvimento projetual.

Viabilidade Financeira

A viabilidade financeira é um dos condicionantes mais importantes e que poderá te fazer ganhar em definitivo um cliente. Isso por que quando fazemos um projeto estamos tratando do dinheiro do cliente. Seja no quanto ele vai gastar para uso próprio, seja quando se trata de um investimento, a todo o momento estamos falando de um recurso que não é nosso. Fazer render este recurso é fundamental para novos trabalhos. Neste sentido, antes de começar um projeto, é importante prever os custos de modo realista e muitas vezes pessimista. Isto por que, na análise de viabilidade de um empreendimento, deve ser considerado tudo de pior que pode ocorrer, incluindo extensos períodos para aprovação, baixa velocidade de vendas, preço abaixo do mercado (o que determinará um VGV – Valor Geral de Venda menor). Poucos arquitetos exploram de forma efetiva estes estudos financeiros, que podem se tornar um diferencial para os profissionais em atuação.

Conceitos

Talvez o mais difícil de explicar mas ao mesmo tempo o mais importante. O Conceito de um projeto é a história por traz da proposta. Devem convergir em uma mesma direção aspectos formais, técnicos e funcionais. O projeto que se vende deve refletir uma mesma idéia em todos os aspectos que o compõe. Você não irá fazer um projeto de luxo e especificar materiais populares, assim como o contrário. Um projeto ecologicamente adequado deve promover uma economia ambiental como um todo. Amplas fachadas de vidro com uma alta carga térmica não convergem a um mesmo ideal. Neste sentido, eis aqui um dos grandes desafios na proposição de projetos de qualidade. Ao mesmo tempo, quando se consegue, as cidades são presenteadas com projetos que contribuem positivamente para o todo.

 

De um modo geral, a etapa do Partido Arquitetônico é a etapa que possui uma maior demanda de conexão entre os conhecimentos e condicionantes. É o momento onde o arquiteto irá expor toda a sua criatividade e ao mesmo tempo seu conhecimento e experiência.  Deve ser representado de modo a deixar claro todos estes condicionantes, ou seja, volumetria, zoneamentos, croquis, plantas baixas, cortes e fachadas.

Equipe Capsula.

(Imagem do artigo, croqui de Paulo Mendes da Rocha, para o Pavilhão do Brasil em Osaka, site ArchDaily)