Diário de um Projeto, Protótipo de Casa Popular, referências.

O projeto de uma casa popular nasce com um grande desafio, o de inovar frente ao que já foi feito. Quando pesquisamos imagens sobre o assunto, em sites como o Pinterest, por exemplo, há propostas bem interessantes, mas muitas deles exigem um terreno de maior porte, com a possibilidade de abrir janelas para 3 fachadas. Poucas são as que propõem projetos para terrenos mais mínimos, com 6 metros de largura ou menos, embora o custo do valor da terra seja fator determinante para projetos populares. Formalmente houve uma melhora significativa, embora nas cidades, pouco se viu destas propostas arquitetônicas nos projetos de habitação popular, como o Minha Casa Minha Vida, talvez justamente por esta questão de custo da terra.

Então, quando você é contratado para projetar uma residência popular em um material diferenciado, o desafio é realmente interessante para qualquer arquiteto. Isso por que mais do que projetar uma casa popular, você tem o desafio de propor algo novo, não só no material mas no conjunto. E acima de tudo, você tem que conseguir fazer um projeto barato, que tenha um baixo custo de implantação, que seja viável economicamente.

Há, porém, uma outra preocupação que nós arquitetos trazemos, que é a questão formal do projeto. Queremos que nosso projeto seja realmente bonito, que ele contribua positivamente para a paisagem da cidade e queremos mais ainda que o pedreiro não destrua o nosso projeto na execução, seja por mudar coisas sem qualquer autorização, seja pela má execução mesmo. Vamos lembrar que Direitos Autorais ainda são muito desrespeitados por aqui, fora todo o leque de profissionais que acham que entendem mais do que nós arquitetos. Ao mesmo tempo, temos que entender que projetos de caráter mais popular tem que prever algum tipo de acréscimo em sua forma original, pois o costume do puxadinho está altamente arraigado na cultura brasileira.

Neste sentido, o arquiteto chileno Alejandro Aravena promoveu este tipo de arquitetura com um principio norteador bastante claro e importante, o de que os usuários pudessem dar a sua personalidade no projeto, seja mudando acabamentos ou expandindo os projetos. Algo que ocorre em praticamente todos os imóveis, mas que neste caso ele determinava os espaços onde estas intervenções ocorreriam, o que permitiu que ainda alterado, os conjuntos projetados tivessem uma unidade. Os projetos de Villa Verde (2013) e Quinta Monroy (2004), ambos no Chile, são os mais conhecidos.

Quinta Monroy, prevê o atendimento a 93 famílias. A área de implantação é de 5.025m². As áreas iniciais das unidades são de 36,00m² para casas e de 25,00m² para o duplex. Que podem ser expandidos para 70 e 72m² respectivamente.

Imagens: http://www.elementalchile.cl

Villa Verde agrupa 484 familias, em um terreno de 8500m². A área inicial das unidades é de 57m² podendo expandir para até 85m² – um incremento de quase 50% na área original.

Imagens: http://www.elementalchile.cl

Embora o porte destes projetos possa ser um pouco distante do que temos aqui no Brasil, hoje o próprio Governo através Minha Casa Minha Vida já sente a necessidade de rever os conceitos do Programa.

Para nós, basear-se nesta condição, de que as pessoas possam de alguma forma dar a sua identidade à sua habitação, deixando-a de certo modo única, sem perder a unidade do conjunto, é de certo modo compreender as necessidades do público para o qual estamos projetando. Se você consegue prever isto de forma planejada, temos a tão sonhada flexibilidade para o nosso projeto, sem que se perca a sua identidade.

Muitas vezes desapercebida, destacamos um tipo de intervenção pessoal em conjuntos arquitetônicos. Em Porto Alegre, RS, há conjuntos residenciais unifamiliares independentes, cujos projetos iniciais eram exatamente iguais, muitos destinados a militares. Ao longo dos anos, as casas foram ganhando novos donos, personalidades próprias de seus usuários, que manifestam de forma clara a necessidade que as pessoas tem de se identificarem com imóveis próprios. Hoje com características diferenciadas, mantém ainda a nossa percepção de que fazem parte de um conjunto e de como isto pode se tornar uma estratégia interessante para conjuntos de mais unidades.

Equipe Capsula.