Combustíveis e Arquitetura.

Ahhh… como eu queria ter visto uma manifestação do CAU sobre este assunto das altas dos combustíveis. Mas não vi – embora ainda esteja em tempo. Não vi por que mantenho o meu entendimento de que o CAU ainda está distante da realidade, do dia-a-dia da profissão dos arquitetos e urbanistas. Enquanto poucos escritórios são exemplos de sucesso, a grande massa segue ralando, com baixas remunerações cada vez mais esmagadas por custos elevados.

Softwares oficiais tem custos elevadíssimos. Impostos, aluguéis, celular…

E agora os combustíveis acabam por esmagar o pouco lucro que alguns conseguem ter.

Hoje em dia, por causa de uma grande mão-de-obra desqualificada, arquitetos e engenheiros se tornam quase que residentes nas obras, obrigando a um ir e vir sem fim. Visitas diárias, ou mais de uma vez por dia são comuns. Fora a pesquisa de materiais, visitas a lojas, eventos, congressos, feiras, custos que saem do bolso dos profissionais e de ninguém mais. Então, neste momento, apoiar uma mudança nesta política de preços dos combustíveis é o mínimo que arquitetos e engenheiros deveriam fazer, pela realidade das nossas profissões. Por que daqui a pouco estaremos falindo… e na sequência, embora não ocorra a curto prazo, nossas cidades estarão mais caóticas do que já estão!

Equipe Capsula

Imagem do site Uol/Folha: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/greve-de-caminhoneiros-autonomos-e-reforcada-com-adesao-de-transportadoras.shtml